Associação Médica de Goiás - AMG

Educação
Continuada

A situação de transplantes em Goiás

Publicado em : 15/09/2015

Autor : Por Dr. Luciano Leão Bernardino da Costa - Gerente da Central de Transplantes da Secretaria de Saúde do Estado de Goiás

A história dos transplantes em nosso estado tem seu início no então Hospital Geral do INAMPS, onde se realizou o primeiro transplante renal em meados da segunda metade do século passado, graças à determinação de profissionais que aí militavam e contra todas as dificuldades esperadas e mesmo imprevistas. Mas foi somente a partir do ano de 1998, com a criação e implantação da Central de Transplantes do Estado de Goiás, é que houve, logicamente, o aumento de tais procedimentos, bem como seu devido registro nos documentos pertinentes.

Hoje, a exemplo de todas as demais centrais de transplantes estaduais e do Distrito Federal, a nossa tem suas atividades total e rigorosamente definidas em dispositivos legais emanados a partir do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde, do qual fazemos parte, com acréscimos de Resoluções do Conselho Federal de Medicina e de outros instrumentos normativos a critério de cada estado, desde que não se confrontem e nem firam os dispositivos legais vigentes.

A análise de nossos índices de transplantes, mensalmente registrados em boletim encaminhado aos gestores estaduais e federais, mostram que historicamente sempre nos deparamos com um grande problema, de resto também comum à grande maioria dos estados brasileiros: a baixa doação de órgãos e tecidos para transplantes, incapaz de atender à enorme fila de pessoas aguardando por tais procedimentos. Segundo dados emanados do Registro Brasileiro de Transplantes em sua última edição, o Brasil possui hoje mais de trinta e duas mil pessoas aguardando serem transplantadas, das quais mais de mil e duzentas em nosso Estado. Em especial, transplante de rim, a maior demanda de órgãos sólidos e de córneas, primeira da fila em caso de transplantes de tecidos, que se repetem como majoritárias em todos os continentes.

Por outro lado, observa-se a persistência de alguns entraves que contribuem para a indesejável manutenção da situação acima delineada: a baixa notificação de pacientes em morte encefálica, que é compulsória segundo a resolução do Conselho Federal de Medicina de número 1.780/1997, aliada à falta de qualificação de profissionais médicos e enfermeiros em lidar com os potenciais doadores, em especial quanto à abertura e fechamento do protocolo para diagnóstico de morte encefálica. Da mesma forma, são limitantes a adequada manutenção do potencial doador na UTI às custas de drogas vasoativas e medidas de suporte e, também muito impactante, o elevado índice de negativas familiares para as doações em morte encefálica, indispensáveis e imprescindíveis segundo dispositivo legal.

A esses acrescentaríamos o pouco envolvimento das instituições médicas, tanto classistas quanto estatais e privadas que, por motivos diversos, são poucos estimuladas a se inserirem nos diversos programas de transplantes em geral, geralmente em consequência de desconhecimento dos principais aspectos legais, éticos, operacionais e humanitários dos mesmos. Pois a doação de órgãos e tecidos é, antes de tudo, um gesto cristão, feito com altruísmo e visando unicamente o bem de alguém que necessita enormemente de receber uma doação para restabelecer sua qualidade de vida.

Outra constatação que temos observado é o fato de que as campanhas que realizamos durante todos os meses do ano, em locais de grande fluxo de pessoas, como shopping centers, praças públicas, faculdades, aeroporto e rodoviária, não tem influenciado grandemente o aumento das doações. O que nos leva, nesse momento, a investir em parceria com as entidades médicas, quer profissionais, quer institucionais, bem como com os planos de saúde. Todos são por nós considerados como fundamentais parceiros, em especial como auxiliares na sensibilização e comprometimento dos profissionais com tão nobre causa. O que significa, no mínimo, cumprir o disposto na resolução Conselho Federal de Medicina citada em epígrafe.

Tendo em vista o quadro delineado acima e graças à calorosa receptividade com que temos sido acolhidos por onde passamos, está em elaboração para rápida implantação, uma proposta de que as entidades classistas, através do CEMEG, Associação dos Hospitais do Estado de Goiás, IPASGO, UNIMED E UNIDAS, se posicionem a favor de uma forte ação em prol do aumento das doações de órgãos e tecidos para transplantes em nosso Estado. Em princípio pretende-se organizar um evento com a participação das entidades citadas anteriormente, no qual todas se manifestarão favoravelmente à questão.

A se considerar a disposição de nossos interlocutores, aliada ao comprometimento manifestado por todos em contatos pessoais, vislumbra-se um novo momento no que se refere aos transplantes em nosso Estado, que certamente em muito contribuirá para diminuir a enorme fila de pacientes aguardando por tais procedimentos. E aos quais se deve garantir o direito à saúde, previsto em nossa lei maior, a Constituição Brasileira.

 

 Dr. Luciano Leão Bernardino da Costa

 Gerente da Central de Transplantes da  Secretaria de Saúde do Estado de Goiás

Artigos

A verdadeira prevenção

19/03/2018
No discurso de abertura do 1.º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública, no Rio de ...

A assistência ao doente mental no rumo certo

27/02/2018
22 de dezembro de 2017: um marco na história da assistência psiquiátrica no Brasil. Neste dia, o Ministério da ...

Pátria amada Brasil!

Por Pedro Honorato Pinheiro, ginecologista-obsteta 25/04/2017
O Brasil não está tão triste pelo que está acontecendo agora. O triste é ver que depois de 517 anos ainda ...

Muito mais do que promessas

Por José Hiran da Silva Gallo - Diretor do Conselho Federal de Medicina (CFM) e Doutor em Bioética 21/03/2017
Infelizmente, vivemos num mundo onde sonho e realidade nem sempre convivem de forma harmônica. Todos gostariam que a desigualdade social ...

Autonomia da mulher na hora do parto

22/02/2017 Por José Hiran da Silva Gallo - Diretor Tesoureiro do Conselho Federal de Medicina
O princípio da autonomia é um dos pilares da Bioética contemporânea. Sua relevância atual é ...

Reflexões sobre o sistema penitenciário brasileiro

Por José Hiran da Silva Gallo - Diretor do Conselho Federal de Medicina (CFM) e Doutor em Bioética 14/02/2017
A tragédia que atingiu recentemente vários presídios brasileiros, onde centenas de homens foram mortos numa guerra de ...

Medicina do futuro

Por Waldemar Naves do Amaral, Prof. do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da UFG eTenente Coronel Médico da Polícia Mi 01/02/2017
A Medicina do Futuro está embasada em duas condições bem claras: 1º mudança do olhar populacional ...

Zika –mito ou realidade?

Por Waldemar Naves do Amaral, ginecologista-obstetra e professor da Faculdade de Medicina da UFG 10/03/2016
A evidência na medicina e na saúde têm uma conotação direta com a ciência, que é a verdade ...

Informativo sobre a permuta dos imóveis de propriedade da AMG por unidades autônomas no Órion Business & Health Complex

18/03/2015
Por decisão unânime tomada pelos membros da Diretoria da Associação Médica de Goiás, cuja ...

CAIS: até quando fugir do problema?

Por Dr. José Umberto Vaz de Siqueira, presidente da Associação Médica de Goiás 15/12/2014
Acordamos, nos últimos dias, com os jornais da capital estampando em suas principais páginas manchetes sobre o fechamento de ...

Porque os médicos devem se manifestar politicamente

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 11/06/2014
O Governo brasileiro tem chicoteado a categoria médica nos últimos anos, tentando sempre nos imputar o ônus do caos instalado ...

Urnas eleitorais são nossa esperança por uma saúde justa e digna

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 04/02/2014
O ano de 2014 carregará, em seus meses, grandes acontecimentos em nosso país. Receberemos, em território brasileiro, a maior ...

SUS é desfalcado por desperdícios, insuficiência de recursos financeiros e péssimas condições de trabalho do médico

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 02/12/2013
Cerca de 70% dos discentes da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás NÃO pretendem trabalhar na ...

Diante da ganância pelo poder, a fé e o amor de quem dá a vida pela Medicina.

Por Dr. José Umberto de Vaz Siqueira 28/10/2013
Quando eu estava com 15 anos de idade, comecei a pensar  que queria ser médico. Naquela inocente adolescência de 30 anos ...

18 de outubro, Dia do Médico.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
"Eu juro, por Apolo médico, por Esculápio, Hígia e Panacea, e tomo por testemunhas todos os deuses e todas as ...

Contra a desmoralização do sistema de saúde brasileiro.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
Em recente pronunciamento do ministro das Relaçãos Exteriores, Antônio Patriota, ficou constatado o interesse do governo ...

Das capitais para o interior.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  Na última década, o número de médicos brasileiros cresceu 21,3%, índice superior ao aumento da ...

Diagnósticos equivocados de Dilma Rousseff.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
Se a saúde pública brasileira fosse paciente da presidente Dilma Rousseff, certamente estaria em estado terminal. São ...

Falta investimento do Governo à saúde.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
Classe médica defende o Saúde + 10, movimento nacional que busca a coleta de assinaturas para um Projeto de Lei de iniciativa ...

Para onde vai nossos crescentes tributos?

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  Insatisfação. No dicionário, significa falta de contentamento. Mas levada à realidade, a palavra traduz o ...

Pelo direito à vida.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
O aborto é a expulsão de um embrião ou de um feto antes do final do seu desenvolvimento e viabilidade em ...

Plano de Carreira para médicos é fortaleza para o Sistema Único de Saúde.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  No dia 10 de setembro, o deputado Eleuses Paiva (DEM/SP), relator na Comissão Especial destinada a proferir parecer sobre a ...

Quem não deseja o reconhecimento?

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  “Para exercer a Medicina com honra e dignidade, o médico necessita ter boas condições de trabalho e ser ...

Quer engravidar? Não conte com o Governo.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  Segundo a Organização Mundial da Saúde, a infertilidade afeta de 8% a 15% da população brasileira. ...
voltar
Associação Médica de Goiás - AMG