Associação Médica de Goiás - AMG

Educação
Continuada

Muito mais do que promessas

Publicado em : 21/03/2017

Autor : Por José Hiran da Silva Gallo - Diretor do Conselho Federal de Medicina (CFM) e Doutor em Bioética

Infelizmente, vivemos num mundo onde sonho e realidade nem sempre convivem de forma harmônica. Todos gostariam que a desigualdade social desaparecesse num passe de mágica, mas, contra todos os prognósticos otimistas, o fosso social continua a crescer, engolindo mais e mais famílias. Da mesma forma, não há brasileiro que não deseje ruas seguras, sem violência, distantes das agressões e crimes que nos fazem, às vezes, duvidar da capacidade do ser humano de ser humano.

Os sonhos não são proibidos. Muito pelo contrário, são eles que nos impulsionam a ir além, a superar nossos próprios limites. Um atleta quando ganha uma medalha olímpica é exemplo dessa dedicação leonina que começou anos antes. Dia a dia, ele forjou o seu futuro, visualizando a meta onde queria chegar. Contudo, até atingir o alto do pódio contou com alimentação adequada, treinos exaustivos e suporte técnico.

Um ouro olímpico coroa um processo, e somente se torna possível, se o atleta que o conquistou teve o apoio e a infraestrutura necessários ao longo dos anos. Porém, no Brasil, mais uma vez assiste-se a tentativa do governo de queimar etapas em nome do impacto midiático e anunciar à população a conquista de um sonho sabendo que nem de longe a realidade é capaz de suportar o prometido. É como se, por decreto, tivessem decidido que um menino de 12 anos seria mais rápido que o Usain Bolt.

Em 8 de março, Dia Internacional da Mulher, o Ministério da Saúde divulgou uma série de diretrizes de assistência ao parto normal no Brasil. O texto – do ponto de vista teórico – resolve todos os problemas que as gestantes de Rondônia e de qualquer outro lugar do País, atendidas pela rede pública, enfrentam desde a hora da confirmação da gestação até o momento em que a mãe segura seu filho nos braços.

“A partir de agora, toda mulher terá direito de definir o seu plano de parto que trará informações como local onde será realizado, orientações e benefícios do parto normal”, informa o Ministério em tom festivo. Mais adiante, o documento descreve um pacote pormenorizado de novas obrigações dos hospitais do Estado, onde surgem, dentre outros benefícios às pacientes, a oferta de massagens, banhos de imersão e acupunturistas para aliviar as dores das contrações.

De forma adequada, as diretrizes elencam ainda uma série de atitudes e serviços que materializam o direito das pacientes de serem bem tratadas, respeitadas em sua individualidade, estimuladas em sua autonomia. Assim, esse novelo idealizado se desenrola por 245 itens distribuídos em várias páginas.

Porém, ao fim da leitura desse documento se tem a nítida impressão de que há um distanciamento evidente entre o panorama visto da ponte pelos tomadores de decisão, em Brasília, e o cotidiano de milhares de brasileiras que dependem do SUS para fazer um pré-natal e ter seu filho.

Como dito, no início desse artigo, a conquista de novos paradigmas se faz pelo estabelecimento de metas. Trata-se de uma estratégia que motiva a ir mais longe. Só que no caso do anúncio ministerial das diretrizes para o parto normal no SUS fixaram o alvo, mas não entregaram os dados aos atiradores.

Afinal, como assegurar à mulher a assistência idealizada e prometida, se a paciente pena para conseguir uma consulta de pré-natal no posto de saúde de seu bairro? De que forma, garantir à gestante a privacidade e o suporte de que tanto precisa se ela é obrigada peregrinar de maternidade em maternidade em  busca de um leito onde possa ter seu filho? São apenas algumas das perguntas que não se calam e exigem respostas.

Hoje, o País está diante de uma política elaborada pelo Ministério da Saúde lastreada em conceitos, mas que ignora o básico: para deixar de ser um projeto e se tornar exequível a rede de atendimento deve estar em condições plenas. Os leitos obstétricos devem existir em número suficiente, os medicamentos e os insumos precisam estar nos dispensários e os médicos e outros profissionais da equipe necessitam estar contratados e motivados para o trabalho. Sem isso, o projeto nunca sairá do papel.

Disso tudo fica uma lição fundamental: o Governo tem a necessidade urgente de entender que o Brasil de hoje já não suporta soluções criadas por marqueteiros. Não se quer circo, a fome é por pão. Os sonhos não morrem jamais, mas o brasileiro sabe que para alcançá-los se faz urgente mudar, antes, a realidade. Esse caminho para a construção de um novo futuro, no qual as mulheres contarão com muito mais do que simples promessas.

 

Artigos

A verdadeira prevenção

19/03/2018
No discurso de abertura do 1.º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública, no Rio de ...

A assistência ao doente mental no rumo certo

27/02/2018
22 de dezembro de 2017: um marco na história da assistência psiquiátrica no Brasil. Neste dia, o Ministério da ...

Pátria amada Brasil!

Por Pedro Honorato Pinheiro, ginecologista-obsteta 25/04/2017
O Brasil não está tão triste pelo que está acontecendo agora. O triste é ver que depois de 517 anos ainda ...

Autonomia da mulher na hora do parto

22/02/2017 Por José Hiran da Silva Gallo - Diretor Tesoureiro do Conselho Federal de Medicina
O princípio da autonomia é um dos pilares da Bioética contemporânea. Sua relevância atual é ...

Reflexões sobre o sistema penitenciário brasileiro

Por José Hiran da Silva Gallo - Diretor do Conselho Federal de Medicina (CFM) e Doutor em Bioética 14/02/2017
A tragédia que atingiu recentemente vários presídios brasileiros, onde centenas de homens foram mortos numa guerra de ...

Medicina do futuro

Por Waldemar Naves do Amaral, Prof. do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da UFG eTenente Coronel Médico da Polícia Mi 01/02/2017
A Medicina do Futuro está embasada em duas condições bem claras: 1º mudança do olhar populacional ...

Zika –mito ou realidade?

Por Waldemar Naves do Amaral, ginecologista-obstetra e professor da Faculdade de Medicina da UFG 10/03/2016
A evidência na medicina e na saúde têm uma conotação direta com a ciência, que é a verdade ...

A situação de transplantes em Goiás

Por Dr. Luciano Leão Bernardino da Costa - Gerente da Central de Transplantes da Secretaria de Saúde do Estado de Goiás 15/09/2015
A história dos transplantes em nosso estado tem seu início no então Hospital Geral do INAMPS, onde se realizou o primeiro ...

Informativo sobre a permuta dos imóveis de propriedade da AMG por unidades autônomas no Órion Business & Health Complex

18/03/2015
Por decisão unânime tomada pelos membros da Diretoria da Associação Médica de Goiás, cuja ...

CAIS: até quando fugir do problema?

Por Dr. José Umberto Vaz de Siqueira, presidente da Associação Médica de Goiás 15/12/2014
Acordamos, nos últimos dias, com os jornais da capital estampando em suas principais páginas manchetes sobre o fechamento de ...

Porque os médicos devem se manifestar politicamente

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 11/06/2014
O Governo brasileiro tem chicoteado a categoria médica nos últimos anos, tentando sempre nos imputar o ônus do caos instalado ...

Urnas eleitorais são nossa esperança por uma saúde justa e digna

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 04/02/2014
O ano de 2014 carregará, em seus meses, grandes acontecimentos em nosso país. Receberemos, em território brasileiro, a maior ...

SUS é desfalcado por desperdícios, insuficiência de recursos financeiros e péssimas condições de trabalho do médico

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 02/12/2013
Cerca de 70% dos discentes da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás NÃO pretendem trabalhar na ...

Diante da ganância pelo poder, a fé e o amor de quem dá a vida pela Medicina.

Por Dr. José Umberto de Vaz Siqueira 28/10/2013
Quando eu estava com 15 anos de idade, comecei a pensar  que queria ser médico. Naquela inocente adolescência de 30 anos ...

18 de outubro, Dia do Médico.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
"Eu juro, por Apolo médico, por Esculápio, Hígia e Panacea, e tomo por testemunhas todos os deuses e todas as ...

Contra a desmoralização do sistema de saúde brasileiro.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
Em recente pronunciamento do ministro das Relaçãos Exteriores, Antônio Patriota, ficou constatado o interesse do governo ...

Das capitais para o interior.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  Na última década, o número de médicos brasileiros cresceu 21,3%, índice superior ao aumento da ...

Diagnósticos equivocados de Dilma Rousseff.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
Se a saúde pública brasileira fosse paciente da presidente Dilma Rousseff, certamente estaria em estado terminal. São ...

Falta investimento do Governo à saúde.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
Classe médica defende o Saúde + 10, movimento nacional que busca a coleta de assinaturas para um Projeto de Lei de iniciativa ...

Para onde vai nossos crescentes tributos?

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  Insatisfação. No dicionário, significa falta de contentamento. Mas levada à realidade, a palavra traduz o ...

Pelo direito à vida.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
O aborto é a expulsão de um embrião ou de um feto antes do final do seu desenvolvimento e viabilidade em ...

Plano de Carreira para médicos é fortaleza para o Sistema Único de Saúde.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  No dia 10 de setembro, o deputado Eleuses Paiva (DEM/SP), relator na Comissão Especial destinada a proferir parecer sobre a ...

Quem não deseja o reconhecimento?

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  “Para exercer a Medicina com honra e dignidade, o médico necessita ter boas condições de trabalho e ser ...

Quer engravidar? Não conte com o Governo.

Por Dr. Rui Gilberto Ferreira 21/10/2013
  Segundo a Organização Mundial da Saúde, a infertilidade afeta de 8% a 15% da população brasileira. ...
voltar
Associação Médica de Goiás - AMG